Morte, narcisismo e invisibilidade nos quadros limítrofes: um estudo clínico

Josiane C. Bocchi, Érico Bruno Viana Campos

Resumo


O conceito de pulsão de morte é um dos mais polêmicos e complexos da metapsicologia freudiana, com variados desdobramentos nas tradições psicanalíticas. Embora de formas distintas, tanto a tradição inglesa quanto a francesa insistem em uma perspectiva mais traumática e positiva dos efeitos disruptivos da pulsão de morte. No entanto, a clínica contemporânea aponta para configurações subjetivas em que o vínculo com os objetos e a realidade caracterizam-se mais pelo trabalho do negativo, em que o desinvestimento objetal e narcísico são a tônica. Ilustra-se essa posição com o relato de um caso clínico de quadro limítrofe marcado pela escopofilia mortífera, depressividade e automutilação, em que se destacam a implicação do corpo e a oscilação entre o eu e o ideal do eu. Conclui-se que a noção de um narcisismo negativo constitui um operador importante para a compreensão dos desdobramentos da pulsão de morte na dinâmica da subjetividade contemporânea.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 2175-2834