Sobre sobrevivência e vivendo juntos a experiência do “buraco negro”.

Ofra Eshel

Resumo


O contexto teórico-clínico explora o difícil encontro analítico com a maciça e devoradora morte na relação mãe/si mesmo, a qual eu nomeei e caracterizei aplicando metaforicamente o termo da astrofísica “buraco negro” para o espaço psíquico interpessoal. Meu uso desse termo difere das formulações de Tustin e de Grotstein. Eles descrevem a natureza do espaço mental interno nas desordens primitivas resultantes de uma catástofre infantil relativa a uma separação muito precoce da mãe primitiva. Eu expando a aplicação analítica do termo da astrofísica “buraco negro” e o “horizonte do evento” para um fenômeno interpessoal relacionado a indivíduos menos perturbados, cujo espaço psíquico interpessoal/intersubjetivo é dominado por um objeto central, experimentado essencialmente como um buraco negro. Eles estão ora aprisionados pela sua enorme força de atração ou estão petrificados em seu espaço psíquico interpessoal, em função do medo de serem atirados para fora de sua borda. A experiência do “buraco negro” no espaço interpessoal é causada principalmente pelo impacto na criança de um genitor “morto” psiquicamente, particularmente de uma mãe “morta” (Green, 1986), absorta num mundo interno de desfalecimento estéril, depressão e morte. O uso metafórico do termo da astrofísica ”buraco negro” encarna e enfatiza questões que eu sinto serem cruciais para a análise desses pacientes. É possível que a análise proporcione enormes montantes de forças contrárias, necessárias para libertar e extrincar esses pacientes das poderosas, aprisionantes e destrutivas forças do “buraco negro”, da mãe “morta”? E pode o analista (quando não é um observedor remoto) sobreviver, e influenciar, nesse devorador mundo de morte? Agora eu vou descrever a análise na qual me encontrei na luta com essas questões, e ilustrar o que fui e o que não fui capaz de fazer nesse encontro analítico com tal intensidade de domínio mortífero do nada, da morte.

Texto completo:

PDF

Referências


Winnicott, D., 1958: Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Winnicott, D., 1964: A criança e seu mundo. 6ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

Winnicott, D., 1965: A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Winnicott, D., 1965: O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

Winnicott, D., 1971: O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D., 1971: Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de Janeiro: Imago, 1984.

Winnicott, D., 1977: The Piggle: o relato do tratamento psicanalítico de uma menina. Rio de Janeiro: Imago, 1979.

Winnicott, D., 1984: Privação e delinqüência. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Winnicott, D., 1986: Tudo começa em casa. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Winnicott, D., 1986: Holding e interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Winnicott, D., 1987: Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Winnicott, D., 1987: O gesto espontâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

Winnicott, D., 1988: Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

Winnicott, D., 1989: Explorações psicanalíticas. C. Winnicott, R. Shepperd e M. Davis (orgs). 2ª reimpressão. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

Winnicott, D., 1993: Conversando sobre crianças [com os pais]. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Winnicott, D., 1996: Pensando sobre crianças. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 2175-2834