Sofrer pelo próprio ser: A Daseinsanalyse de Alice Holzhey-Kunz e a inclusão pré-ontológica da existência como fundamento do sofrimento existencial

Paulo Eduardo Rodrigues Alves Evangelista

Resumo


neste artigo viso apresentar a Daseinsanalyse desenvolvida por Alice Holzhey-Kunz, da segunda geração da Daseinsanalyse. Inicio indicando o objetivo de reintroduzir a hermenêutica na psicoterapia, tornando-a mais heideggeriana e freudiana. Em seguida, apresento o sentido do sofrimento psicológico: é sofrer com o próprio ser, isto é, com a condição ‘humana’ (Dasein), cuja descrição é retirada de Ser e tempo, de Heidegger. O conceito-chave para este paradigma é o de ‘inclusão pré-ontológica’: cada existência tem relação com o próprio ser. Na psicopatologia, a condição humana irrompe e limita o existir cotidiano. Por fim, indico consequências para a prática psicoterapêutica neste paradigma.


Texto completo:

PDF

Referências


Boss, M.; Heidegger, M. (2009) Os Seminários de Zollikon - Protocolos, Diálogos, Cartas. Trad. Fátima Almeida Prado. Petrópolis, RJ: Vozes. (1987/2009)

Dastur, F.; Cabestan, P. (2015) Daseinsanálise: Fenomenologia e Psicanálise. Trad. Alexandre de Carvalho. Rio de Janeiro: Via Verita.

Freud, S. (2014) Teoria geral das neuroses. Em: Freud, Sigmund. 1917/2014 Conferências introdutórias à psicanálise (1916-1917). (Obras Completas Vol. 13). Trad. Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras. (1917/2014)

Heidegger, M. (2012) Ser e Tempo. Trad. Fausto Castilho. Campinas, SP; Editora da Unicamp; Petrópolis, RJ: Editora Vozes. (1927/2012)

Holzhey-Kunz, A. (2018) Daseinsanálise: O olhar filosófico-existencial sobre o sofrimento psíquico e sua terapia. Trad. Marco Casanova. Rio de Janeiro: Via Verita.

Holzhey-Kunz, A.; Fazekas, T. (2012) Daseinsanalysis: a dialogue. In: Barnett, Laura; Madison, Greg. 2012. Existential Therapy - Legacy, Vibrancy, and Dialogue. London and New York: Routledge. p. 35-52.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 2175-2834