Pontes sobre o nada: narrativas do sofrimento e transformação existencial

Autores

  • Marco Casanova UERJ

DOI:

https://doi.org/10.17648/2175-2834-v21n2-391

Resumo

o principal intuito do presente artigo é questionar uma tendência estrutural de nosso modo tradicional de compreensão do problema da negatividade. Se considerarmos a reação imediata à afirmação de que a existência se caracteriza exatamente como uma indeterminação ontológica radical, não é incomum perceber a dificuldade de assumir essa afirmação sem uma certa sensação de que inviabiliza por completo a própria existência, caso não seja contrabalanceada por alguma dimensão de soterramento da nadidade, de pavimentação da negatividade. Tal dificuldade repercute sobre os modos mais imediatos de lidar com o sofrimento existencial e mesmo de pensar o foco mais essencial das terapias em geral. Na medida em que questionamos esses modos e seus pressupostos mais imediatos, o que buscamos aqui é antes de tudo investigar até que ponto o problema mais intrínseco do sofrimento reside precisamente na carga imensa que provém justamente da tentativa de fugir dele. Heidegger é, nesse contexto, nosso parceiro mais próximo de diálogo, assim como a metáfora da ponte e do farol que nos guia incessantemente em nosso caminho.

Referências

Benoist, J. [1996]. Heidegger et l’obsession de l’identité. In: Revue Philosophique de Louvain, Februar, 1996, 1, pp. 69-91.

Duarte, I.B. [2019]. Arte e técnica em Heidegger. Rio de Janeiro: Via Verita, 2019.

Bornheim, G. [2001]. Metafísica e finitude. São Paulo: Perspectiva, 2001.

Casanova, M.A.[2003]. O instante extra-ordinário: vida, história e valor na obra de Friedrich Nietzsche. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

Casanova, M.A. [2002]. A linguagem do acontecimento apropriativo. Rev Natureza Humana, 4(2), pp. 315-43.

Casanova, M.A. [2006]. Nada a caminho: impessoalidade, niilismo e técnica no pensamento de Martin Heidegger. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

Casanova, M.A. [2007]. Martin Heidegger und Jean-Paul Sartre: Nihilismus zwischen Seinsgeschichte und Existenzialismus. Hermeneutik Jahrbuch, Vittorio Klostermann, Frankfurt am Main, 2007.

Casanova, M.A. [2017a]. A falta que Marx nos faz: um escrito polêmico. Rio de Janeiro: Via Verita, 2017a.

Casanova, M.A. [2017b]. Existência e mundaneidade. In: Casanova, M.A. Mundo e historicidade: Leituras fenomenológicas de Ser e tempo. vol 1. Rio de Janeiro: Via Verita, 2017b.

Courtine, J.F.R. [2007]. L’Introduction à la métaphysique de Heidegger. Paris: Vrin, 2007.

Crowell, S. [2013]. Normativity and Phenomenology in Husserl and Heidegger. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

Heidegger, M. [1991-2002] Gesamtausgabe 1, 5, 9, 29-30, 90. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1991-2002.

Heidegger, M. [1980]. Sobre a essência do fundamento. Porto alegre: Duas cidades, 1980.

Heidegger, M. [1989]. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 1989.

Heidegger, M. [2003]. Os conceitos fundamentais da metafísica (mundo – finitude –solidão). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

Publicado

2019-12-03