Origem, ascensão e queda da Sociedade Húngara de Psicanálise: uma retomada histórica

Autores

  • Marcos Mariani Casadore Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis/SP
  • Francisco Hashimoto Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis/SP

Resumo

No início do movimento psicanalítico, a Hungria foi um dos países pioneiros dentre aqueles que acolheram e propagaram a psicanálise. Sándor Ferenczi, figura principal de desenvolvimento da psicanálise no país, abraçou a causa psicanalítica e se tornou um dos mais importantes teóricos de sua história. Responsável pela criação da Associação Psicanalítica Internacional, fundaria também a Sociedade Húngara de Psicanálise, instituição reconhecida pela originalidade de suas propostas. Além de Ferenczi, Melanie Klein, Michael e Alice Balint, Géza Roheim, dentre outros, foram seus membros. Neste estudo de caráter histórico, o intuito é retomar todo o caminho trilhado pela instituição húngara, desde sua fundação até sua dissolução, em 1949. A identidade e o “espírito” investigativo daquela instituição se perpetuariam ao longo da história psicanalítica, influenciando, direta ou indiretamente, grandes escolas e teóricos da psicanálise como, por exemplo, D. W. Winnicott e alguns pensadores das escolas americanas e francesas.

Biografia do Autor

Marcos Mariani Casadore, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis/SP

Mestre em Psicologia, pela Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis/SP. Doutorando, pela mesma instituição. Professor das Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO).

Francisco Hashimoto, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis/SP

Doutor em Psicologia (USP) e Livre Docente em Orientação Profissional (Unesp/Assis). Professor Adjunto dos cursos de graduação e pós-graduação em Psicologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp/Assis).

Referências

Brabant, E. (1990). Os psicanalistas húngaros no exílio. O luto e a renovação. In: Mijolla, A. (dir.). Revista Internacional da História da Psicanálise, vol. 1/1988. Trad. Maria L. Menezes. Rio de Janeiro: Imago.

Brabant-Gerö, E. (2005a). Hungria. In: Mijolla, A. (Direção Geral). Dicionário internacional da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Imago.

______. (2005b) Róheim, Géza. In: Mijolla, A. (Direção Geral). Dicionário internacional da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

Casadore, M. M. (2012). Sándor Ferenczi e a Psicanálise: pela errância das experimentações. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Douville, O. (2006). Cronologia: situação da psicanálise no mundo, durante a vida de Freud. Pulsional Revista de Psicanálise, ano XIX, n. 188, pp. 22-53.

______. (1988) La “locura” de Ferenczi (Ce fou de Ferenczi). Coq-Herón Nº104. Recuperado em 04 mai. 2010: http://www.indepsi.cl/ferenczi/articulos/dupont.htm.

Falzender, E., Brabant, E. & Giampieri, P. (Orgs.). (1994). Sigmund Freud e Sándor Ferenczi: Correspondência. Volume 1, Tomo 1 (1908-1911). Tradução de Cláudia Cavalcanti e Susana Lages. Rio de Janeiro: Imago.

______. (1995) Sigmund Freud e Sándor Ferenczi: Correspondência. Volume 1, Tomo 2 (1912-1914). Tradução de Cláudia Cavalcanti e Susana Lages. Rio de Janeiro.

Ferenczi, S. (2012) Psicanálise e pedagogia. In: ______. Psicanálise I. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: WMF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1909)

______. (2012) Sobre a história do movimento psicanalítico. In: ______. Psicanálise I. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: WMF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1910)

______. (2012) Filosofia e psicanálise. In: ______. Psicanálise I. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: WMF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1912)

______. (2012) A importância da psicanálise na justiça e na sociedade. In: ______. Psicanálise II. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: WMF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1913)

Freud, S. (1996). A interpretação dos sonhos: primeira parte, segunda parte e sobre os sonhos. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vols. 4 e 5.). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900)

______. (1996) Psicanálise silvestre. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 10). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1910)

______. (1996) Totem e Tabu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 13). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900)

______. (1996) A História do movimento psicanalítico. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1914)

______. (1996) Introdução a ‘A psicanálise e as neuroses de guerra’. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1919)

______. (1996) Anton von Freund. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1920)

______. (1996) Psicologia de grupo e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921)

______. (1996) Prefácio ao relatório sobre a Policlínica Psicanalítica de Berlim (março de 1920 a junho de 1922), de Marx Eitingon. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 19). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923)

Hermann, I. (1925). Hungarian Psycho-Analysis Society. Bul. Int. Psychoanal. Assn., n. 6, pp. 362-363.

______. (1927). Hungarian Psycho-Analysis Society. Bul. Int. Psychoanal. Assn., n. 8, pp. 450-451.

______. (1928). Hungarian Psycho-Analysis Society. Bul. Int. Psychoanal. Assn., n. 9, pp. 390-391.

Mautner, A. V. (1994). A caminho de Budapeste. In: ______. Crônicas Científicas. São Paulo: Escuta.

______. (2009). Ferenczi – Budapeste. Ide (São Paulo), vol.32, n.48, pp. 191-197

______. (1996) Ferenczi: cultura e história. In: Katz, C.H. (Org.) Ferenczi: história, teoria, técnica. São Paulo, Editora 34.

Mészáros, J. (1998) The tragic sucess of european psychoanalysis: “the Budapest school”. International Forum of Psychoanalysis. Vol. 7, pp. 207-214.

Mezan, R. (1993). Do auto-erotismo ao objeto: a simbolização segundo Ferenczi. Percurso: revista de psicanálise. N. 10, vol. 1, pp. 19-30.

Moreau-Ricaud, M. (2005) Hungria. In: Mijolla, A. (Direção Geral). Dicionário internacional da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro.

______. (2000). The founding of the Budapest School. In: Rudnytsky, P.; Bokai, A.; Giampieri-Deutsch, P. (Orgs.) Ferenczi's turn in psychoanalysis. Nova York: NYU Press.

Nemes, L. (1990) Duas guinadas históricas no destino dos psicanalistas húngaros durante os anos 40. In: Mijolla, A. (dir.). Revista Internacional da História da Psicanálise, vol. 1/1988. Trad. Maria L. Menezes. Rio de Janeiro: Imago.

Roudinesco, E. & Plon, M. (1998) Dicionário de psicanálise. Trad. Vera Ribeiro e Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Szecsödy, I. (2007). Sándor Ferenczi – the first intersubjectivist. Scandinavian Psichianalytical Review. N. 30, vol.1, pp. 31-41.

Publicado

2016-01-26

Edição

Seção

Artigos