A anterioridade ontológica da individuação

segundo estudo

Autores

  • Susiane Kreibich Universidade Federal de Santa Maria
  • Thiago Soares Leite Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim

Resumo

O artigo investiga como se constitui o sujeito na psicanálise desenvolvida por Sigmund Freud. Na teoria freudiana, o sujeito é resultado de um constructo que se dá ao longo do tempo, desenvolvendo a sua subjetividade a partir de uma instância inconsciente. O artigo se desenvolve em dois momentos. No primeiro, trata-se dos principais conceitos desenvolvidos nas primeira e segunda tópicas do aparelho psíquico: inconsciente, pré-consciente/consciente, id, ego e superego. Após, trata-se da linguagem, uma vez que esta é a marca da estrutura do aparelho psíquico, e da alteridade, a qual possibilita o desenvolvimento da subjetividade. O desenvolvimento da subjetividade é resultado de um processo que se dá a partir da relação com o outro através da linguagem. No segundo momento, discutem-se os elementos encontrados na teoria freudiana, mostrando que o sujeito que emerge e se desenvolve possui um substrato ontológico denominado “indivíduo”, e este lhe possibilita desenvolver a sua subjetividade. A subjetividade, portanto, não torna cada indivíduo único e irrepetível, mas expressa a singularidade de cada um.

Biografia do Autor

Susiane Kreibich, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Filosofia na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Mestre em Ciências Humanas e Licenciada em Filosofia, pela Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim - UFFS. 

Thiago Soares Leite, Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS. Professor de Filosofia na Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim - UFFS.

Publicado

2021-08-05