Sobre a justificativa em separar a crueldade da dimensão epistemofílica da pulsão de apoderamento

Autores

  • antonio TREVISAN UNB - Brasilia
  • Jean-Michel Vivès
  • Marcia Cristina Maesso

Resumo

RESUMO. O artigo apresenta a dimensão epistemofílica da pulsão de apoderamento e os aspectos da crueldade, expondo o exame de sua relação e diferenciações. Para sustentar a posição, apoiamo-nos na obra de Sigmund Freud, sob o ponto conectivo entre a crueldade e o trabalho da pulsão apoderamento, ilustrando as duas na brincadeira do jogo Fort-da. Partimos do termo original em Alemão, grafado como Bemächtigungstrieb e, traduzido como pulsão de apoderamento, acentuando sua ação nas origens da atividade psíquica. Retomamos a articulação de tal pulsão descrevendo seu aparelho, que é o muscular, apresentado em dois pontos; primeiro, a ação da crueldade inerente à pulsão e segundo, a do impulso para explorar o mundo, a qual apresenta sua dimensão epistemofílica; eis aí o ponto elucidativo sobre tal pulsão, não é apenas impulso à crueldade, ou unicamente indicativo da pulsão de morte. Como resultado, expomos a amplitude da condição de trabalho de ambos os conceitos, entrevendo a ação de seu traço no psiquismo.

Publicado

2022-06-24

Edição

Seção

Freud: ensaios sobre psicanálise