Edições anteriores

  • v. 10 n. 2 (2015)

    O Instituto Brasileiro de Psicanálise Winnicottiana ao disponibilizar no formato eletrônico a 10ª edição. número 2, da Winnicott e-prints apresenta as contribuições de Elsa Dias, Deborah A. Luepnitz (EUA), Margaret B. Spelman (Irlanda), Fernanda C. Dias, André Rossi, Silvia Godvohl e Marcos Fontoni.
  • v. 10 n. 1 (2015)

    A Sociedade Brasileira de Psicanálise Winnicottiana ao disponibilizar no formato eletrônico a 10ª. edição da Winnicott e-prints objetiva desenvolver e divulgar as pesquisas em torno à psicanálise, em especial, à psicanálise winnicottiana, tanto no âmbito nacional quanto internacional. Apresenta, além de artigos inéditos e uma resenha de Elsa Dias, o prefácio da obra The Piggle, de D. W. Winnicott, traduzido para o chinês, pelo psicanalista Zhao Chengzhi que ora apresentamos.A história do desenvolvimento do movimento psicanalítico pode ser contada por   meio de encontros e desencontros entre os teóricos e clínicos que se intitulavam detentores e/ou defensores do conhecimento psicanalítico. Os encontros garantiam a formação de grupos de estudos, aprofundamentos teóricos e clínicos que conduziriam a novas compreensões e novas interpretações do sentido de ser pessoa e de suas relações.   Por sua vez, os desencontros -  que nada mais eram do que encontros de “dissidentes” - também promoviam resultados semelhantes: muito estudo, muita discussão, desconstrução e construção de novas ideias.  Dos encontros e desencontros originaram-se as escolas de psicanálise, hoje reconhecidas e aceitas pela comunidade psicanalítica.O tempo passa, e passados mais de um século desde a publicação de “A interpretação dos Sonhos”, de S. Freud, a revista Winnicott e-prints tem a honra de publicar o prefácio do livro Piggle, de D.W.Winnicott, que em 2014 foi traduzido para o chinês pelo psiquiatra e psicanalista Dr. Zhao Chengzhi, comentador e tradutor da obra de Winnicott para o chinês. Importante destacar que a relevância desse artigo também está no fato de que ele se converte em um documento histórico, que conta o acontecimento de mais um encontro na psicanálise. Este último, acontecido entre o Dr. Zhao Chengzhi e a psicanalista Elsa Oliveira Dias e o filósofo Zeljko Loparic, ambos fundadores da Escola Winnicottiana de São Paulo. Desse encontro, surgiu Sino-Brazilian International Trainning Program on Winnicott`s Psychoanalysis.A leitura desse texto dará mais detalhes aos seus leitores!Os editores
  • v. 9 n. 2 (2014)

    Fundada em 2002 pelo Grupo de Pesquisa em Filosofia e Práticas Psicoterápicas da PUCSP (GrupoFPP) e pelo Centro Winnicott de São Paulo (CWSP), valendo-se ainda do apoio do Centro de Lógica (CLE) da Unicamp, a revista eletrônica Winnicott e-Prints chega a seu 12º ano. A revista publica trabalhos não apenas sobre Winnicott, mas sobre a psicanálise em geral, submetidos por todos os que, no Brasil e no exterior, desejam contribuir para essa área de estudos. De órgão de um grupo de pesquisa local, Winnicott e-Prints passa a ser uma revista de caráter internacional na área de psicanálise, centrada em Winnicott, mas desvinculada de qualquer linha de pesquisa particular. Com essa publicação tornamos público o volume 9, nª 2 de 2014, que além dos artigos conta com a apresentação ao público do projeto Dicionário Winnicott, em produção por pesquisadores ligados á Sociedade Brasileira de Psicanálise Winnicottiana.Boa leitura.Os editores.
  • v. 8

    Winnicott e-Prints, série 2, vol. 8, n.1, 2013 E o pai?Importante por si só, o aprofundamento do tema do pai em Winnicott preenche uma lacuna e busca corrigir um equívoco existente nos estudos da obra do autor. Ainda que altamente relevante, a questão recebeu até o presente momento pouca atenção das pesquisas dedicadas à obra winnicottiana. A literatura secundária sobre Winnicott deu especial ênfase à relação mãe-bebê, justificável pela importância que o próprio autor dá ao assunto em suas formulações teóricas. Embora exista essa ênfase na provisão materna, Winnicott não deixou de tratar da questão do pai e da enorme importância e valor que sua presença, ações e falhas exercem durante toda a vida da criança, desde o momento da concepção, passando pelas fases iniciais quando o pai, em conjunto com a mãe, forma o ambiente total no qual o bebê habita e acompanhando todas as fases posteriores (concernimento, vida familiar, relações triangulares com base genital, adolescência etc.) do amadurecimento humano. O leitor encontrará aqui o tema do pai em diversas perspectivas.